Rui Santos

Rui Ferreira dos Santos nasceu em 1962, em Lisboa.

 

Licenciado em Economia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Católica Portuguesa, Mestre em Investigação Operacional e Engenharia de Sistemas, pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa, Doutor em Engenharia do Ambiente, especialidade Sistemas Sociais - Economia do Ambiente, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL).

 

É Professor Associado da FCT/UNL, regente e responsável de diversas unidades curriculares em Programas de Doutoramento, Mestrado e de Estudos Avançados, essencialmente nos domínios da Economia do Ambiente e da Economia Ecológica, e áreas afins.

 

Foi membro fundador do Grupo de Economia Ecológica e Gestão do Ambiente (ECOMAN) (1994) e do Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade (CENSE) (2007), onde coordena o Grupo de Economia Ecológica e Gestão do Ambiente (do CENSE) desde a sua criação.

 

Tendo uma formação de base em economia, adquiriu uma experiência significativa no desenvolvimento de investigação inter e transdisciplinar na interface das ciências naturais e sociais, coordenando equipas pluridisciplinares.

 

Os seus interesses científicos estão focados sobretudo no desenho e avaliação de instrumentos de política do ambiente, em particular de instrumentos económicos, financeiros e de mercado, na regulação de mercados, na modelação económica-ecológica e na avaliação de sustentabilidade e de serviços dos ecossistemas, fundamentalmente nas áreas da conservação da biodiversidade e da gestão da água e de resíduos.

 

Coordenou e colaborou em diversos projetos de investigação, europeus e nacionais, bem como de prestação de serviços à sociedade.


Foi consultor de diversas organizações públicas e privadas, designadamente organizações internacionais, organismos da Administração Central, Regional e Local, e empresas públicas e privadas (e.g. Ministério do Ambiente, ERSE, ERSAR, ANA, Governo da Região Autónoma dos Açores, Governo da Região Autónoma da Madeira, diversas Câmaras Municipais, Ministério do Meio Ambiente do Brasil, Norwegian Agency for Development Co-operation (NORAD), Comissão Europeia).

 

A forte atividade desenvolvida em projetos de interface com a sociedade permitiu-lhe adquirir uma larga experiência na aplicação da abordagem da economia do ambiente a problemas em diversos sectores e atividades (e.g. serviços de águas, gestão de resíduos, conservação da biodiversidade, energia, economia circular).

 

Foi convidado a coordenar ou integrar diversas equipas de missão, grupos de trabalho e comissões. Por exemplo, coordenou dois grupos de trabalho nomeados pelas Senhoras Ministras com a tutela do Ambiente: a) Proposta de Fundo de Equilíbrio Tarifário para os Serviços de Águas em Alta em Portugal (2010); b) Reflexão e proposta de orientações para a revisão do modelo contratual e dos mecanismos de regulação (económica e de qualidade de serviço) dos sistemas multimunicipais de gestão de resíduos sólidos urbanos, no âmbito do processo de privatização da EGF (2012). Nos anos mais recentes destaca-se ainda a nomeação para membro da Comissão da Reforma da Fiscalidade Verde, do Conselho Consultivo da ERSAR, e para Presidente da Comissão de Parceria do Sistema Público de Parceria Integrado Águas do Alentejo (AgdA).

 

Participou ainda em várias iniciativas promovidas pela Comissão Europeia como, por exemplo, o Grupo WATECO (EC Water Economics Working Group, estabelecido no âmbito do Processo de Implementação Conjunta da Diretiva Quadro da Água).

 

Foi Vogal do Conselho Diretivo do IRAR (2003-2006). Nestas funções esteve particularmente envolvido na definição da estratégia e modelo de regulação para o sector, coordenou a área de regulação económica, destacando-se ainda o contributo para o desenvolvimento e estruturação da organização e para a regulação estrutural do sector.

 

Foi ainda 1º Vice-Presidente da Associação Hispano-Portuguesa de Economia do Ambiente e dos Recursos Naturais (2002-2008).