PROGRAMA

21 DE NOVEMBRO


 

 

08h30

RECEÇÃO DE PARTICIPANTES

 

09h00

I ABERTURA SOLENE DA 13.ª EXPO CONFERÊNCIA DA ÁGUA

 

09h45

II BALANÇO DAS AGREGAÇÕES PARA A GESTÃO DA ÁGUA EM BAIXA 

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO DO AMBIENTE

 

10h15

PAUSA PARA CAFÉ

 

10h45

III AGENDA A&A. ÁGUA 2019. OS TEMAS QUE VÃO MARCAR A AGENDA DO SETOR EM 2019

Os temas que vão marcar o setor nacional da água em 2019 serão apresentados pelo nosso painel de especialistas.

 

TEMAS:

- ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

- AS DESIGUALDADES DO PAÍS E A DESERTIFICAÇÃO

- ÁGUA E ECONOMIA CIRCULAR

- EFICIÊNCIA HÍDRICA

- INSUCESSO DA POLÍTICA DE AGREGAÇÕES

- EMPRESARIALIZAÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E FINANCIAMENTO DO CICLO URBANO DA ÁGUA

 

DEBATE ALARGADO À PLATEIA SOBRE A AGENDA A&A. ÁGUA 2019


JORNAL ÁGUA&AMBIENTE | LIS-WATER

 

12h45

ALMOÇO LIVRE

 

14h15

IV CONHECER AS FRAGILIDADES DO SETOR PORTUGUÊS DA ÁGUA

Internacionalmente, Portugal é apontado como caso exemplar na gestão da água. Mas o setor tem ainda muitas debilidades que importa conhecer.

Quais são e onde estão as fragilidades do setor da água?

Qual a sua expressão e importância para o setor?

 

14h45

V INVESTIMENTOS NO SETOR DE ÁGUA 

A um ano do fim de mais um quadro comunitário de apoio e do PENSAAR 2020, importa fazer um balanço e apontar prioridades para a execução dos fundos ainda disponíveis. Os dados apontam para uma execução do PO SEUR de apenas 36%. É o momento de pensar o PENSAAR 2020.

Que investimentos foram realizados para cumprir os objetivos preconizados para o setor?

O que é ainda necessário fazer e quais são as prioridades para a execução dos fundos ainda disponíveis?

Como vamos conseguir alcançar as metas?


15h15

VI REUTILIZAR, REABILITAR E REORGANIZAR

 

REUTILIZAR – TENDÊNCIAS

Em todo o mundo a reutilização de águas residuais tratadas é uma das faces mais visíveis da economia circular. Em Portugal a reutilização representa apenas um por cento da água produzida. Da Europa chegam orientações e no mundo a reutilização está-se a impor como solução para a gestão das águas. Da tecnologia à garantia da qualidade da água para consumo, passando pelas políticas e legislação, o tema da reutilização está na ordem do dia. Uma legislação mais robusta para a reutilização de água está prestes a surgir na Europa Comunitária.

Por que é que a reutilização se está a impor no mundo?

Quais são as tendências que reforçam e impõem a reutilização?

O state of the art no mundo em matéria de reutilização e de tecnologias

 

REABILITAR – A DIMENSÃO DO PROBLEMA

A maioria dos investimentos nas infraestruturas do setor nacional da água foi realizada há mais de três décadas. Algumas entidades gestoras não possuem planos de manutenção e substituição e os ciclos políticos vão marcando prioridades de investimento que negligenciam muitas vezes a reabilitação das infraestruturas. A obsolescência e degradação têm um impacto direto na eficiência e eficácia dos sistemas e implicam custos financeiros, ambientais e riscos para a saúde das populações.

Qual e a dimensão e gravidade do problema?

O que é necessário reabilitar e qual a estimativa dos valores envolvidos?

Como solucionar os entraves à reabilitação?

 

REORGANIZAR - GANHAR ESCALA, REDUZIR RISCOS. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL

O número e a dimensão das entidades gestoras dos serviços de águas no mundo são variáveis de país para país, mas há uma tendência para a agregação em entidades regionais, na procura de economias de escala e de melhorias de eficiência e de eficácia. Em Portugal, o desafio da agregação dos sistemas em baixa foi lançado por diferentes Governos mas os exemplos ainda são escassos.

O EXEMPLO DA HOLANDA: ECONOMIAS DE ESCALA EM SISTEMAS DE GESTÃO DE ÁGUAS

Como foi implementado o sistema de gestão integral da água na Holanda?

Quais são os resultados na qualidade do serviço prestado às populações e os impactos económico-financeiros?

Que orientações Portugal pode ir buscar aos exemplos internacionais?

 

DEBATE

 

17h30

PAUSA PARA CAFÉ

 

18h00

 

VII CERIMÓNIA DE ENTREGA DOS PT GLOBAL WATER AWARDS 2017 - JORNAL ÁGUA&AMBIENTE | PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA - 2.ª EDIÇÃO

Vamos distinguir a internacionalização das empresas do cluster Português da Água.

As 5 categorias dos PT Global Water Awards:

SERVIÇOS: Prestação de serviços de consultoria, projeto, assistência técnica, operação e manutenção

EMPREITADAS: Construção de infraestruturas e implantação de instalações

FORNECIMENTOS DE BENS E EQUIPAMENTOS

START-UP: Categoria vocacionada para micro e pequenas empresas

I+D+I: Iniciativas transnacionais de investigação, desenvolvimento e/ ou inovação


JORNAL ÁGUA&AMBIENTE | PPA

 





22 DE NOVEMBRO


 

  

08h30

RECEÇÃO DE PARTICIPANTES

 

09h00

I REVISÃO DA DIRETIVA QUADRO DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

A nova Diretiva Quadro da Água para Consumo Humano destaca a necessidade de promoção da economia circular na água - lança uma guerra contra o consumo de água engarrafada -, aposta em consumidores mais exigentes - incentiva a supervisão sobre a eficiência e eficácia dos fornecedores de água - e luta contra os riscos de abastecimento - capacitação das autoridades para melhor lidar com o problema.

Quais são as implicações para o setor português da água da revisão da Diretiva Quadro da Água para Consumo Humano?

Como é que o setor pode começar a preparar-se para as alterações que ai vêm?

 

DEBATE

 

 10H10

II ANTECIPAR O FUTURO: ECONOMIA CIRCULAR PARA A ÁGUA – 2.ª EDIÇÃO

No setor da água a economia circular é um dos temas das mais recentes políticas ambientais europeias.


A PRIMEIRA REDE DE ÁGUA REUTILIZADA EM PORTUGAL

Na segunda edição do painel Antecipar o futuro: Economia circular para a água, vamos apresentar a primeira rede de água reutilizada no país. O fornecimento de água reutilizada para os serviços urbanos - rega, lavagem de ruas -, para a climatização e para o setor agrícola são uma realidade a concretizar.

 

LISBOA NA ECONOMIA CIRCULAR PARA A ÁGUA

A evolução das cidades para a economia circular da água, traz consigo três benefícios claros: melhor aproveitamento da água, melhor qualidade de vida dos cidadãos e um melhor desempenho climático de zonas urbanas. Lisboa está a integrar a economia circular na água e a apostar neste recurso como oportunidade de desenvolvimento da capital. 


JORNAL ÁGUA&AMBIENTE | LIS-WATER

 

10h40

PAUSA PARA CAFÉ

 

11H10

III REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA A CONTA-GOTAS

Ao contrário dos principais setores de utilities, como o gás e a eletricidade, o setor da água em Portugal é muito pouco aberto à inovação tecnológica. Há procedimentos com décadas que poderiam ser alterados por soluções inovadoras, não fosse a grande resistência do setor às novas tecnologias.

Por que é que há ainda resistência às novas soluções tecnológicas?

Quais são os países que lideram a revolução tecnológica?

Quais são as tecnologias com maior potencial para o setor português da água?

 

11h45

IV ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - GERIR A ÁGUA EM INCERTEZA

A severidade dos fenómenos associados às alterações climáticas são sentidos com maior frequência e afetam diretamente o setor da água e dos serviços de águas. A seca e as inundações são dois fenómenos extremos, faces da mesma moeda, que importa ao setor refletir e discutir sobre a sua resiliência e sobre as medidas de contingência que necessita planear.

Como se garante a resiliência do setor da água?

Como se estão a atacar em Portugal os problemas que decorrem das alterações climáticas?

Quais são os principais desafios que as alterações climáticas colocam ao país?

 

ÁGUAS DE PORTUGAL: ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

O Grupo Águas de Portugal está a preparar um plano de adaptação às alterações climáticas. Conheça a forma como a Águas de Portugal está a prevenir, prever e preparar estratégias para fazer frente aos fenómenos associados às alterações climáticas.

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas do Grupo Águas de Portugal. Quais os riscos, as boas práticas e os principais desafios já identificados?

Quais são as medidas prioritárias? O que já estão a implementar? Quais os investimentos necessários para a Águas de Portugal se adaptar à alterações climáticas?

 

12h45

ALMOÇO LIVRE

 

14H15

 

V O NOVO REGULAMENTO TARIFÁRIO

As receitas do abastecimento de água poderão vir a ser aplicadas no saneamento onde ainda há muito investimento a fazer. A possibilidade de subsidiação cruzada está em cima da mesa numa altura em que o regulamento tarifário ainda está a ser consensualizado pelos stakeholders. Todos os contributos estão a ser ponderados para que o regulamento tarifário esteja em linha com as verdadeiras apostas no setor.

 

DEBATE

 

15h15

VI 2.º FÓRUM DE EXCELÊNCIA DOS SERVIÇOS DE ÁGUAS

Organizado em parceria com a ERSAR, o Fórum de Excelência dos Serviços de Águas, visa contribuir para a capacitação das entidades gestoras dos serviços de águas. No Fórum de Excelência dos Serviços de Águas as entidades gestoras, que se destacaram em determinadas áreas, são desafiadas a revelar e explicar às suas congéneres o caminho que as levou à excelência.

JORNAL ÁGUA&AMBIENTE | ERSAR

 

17h15

DESAFIOS PARA A POLÍTICA DA ÁGUA. ORIENTAÇÕES E OBJETIVOS DO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

INTERVENÇÃO DO MINISTRO DO AMBIENTE

 

17h45

VII CERIMÓNIA SOLENE DE ENTREGA DOS PRÉMIOS E SELOS DOS SERVIÇOS DE ÁGUAS E RESÍDUOS (VERTENTE ÁGUAS)

Atribuição dos prémios e dos selos que distinguem as entidades gestoras cujo desempenho se tem destacado pela qualidade e excelência dos serviços prestados. Nesta edição vão ser atribuídos os Selos de Qualidade dos Serviços de Águas e também os Prémios de Qualidade dos Serviços de Águas, que regressam à Expo Conferência da Água em 2018.

 

18h45

VII ENCERRAMENTO DA 13.ª EXPO CONFERÊNCIA DA ÁGUA