Comentário Rui Berkemeier (Resíduos): "A quarta linha de incineração da Valorsul"

29.06.2015

A oposição da Câmara Municipal de Loures à 4ª linha [de incineração] da Valorsul faz todo o sentido, uma vez que esse projeto não se justifica nem em termos ambientais, nem energéticos, nem sociais e muito menos económicos.

 

O investimento numa 4ª linha rondaria os 90 milhões de euros, enquanto que o investimento para uma unidade equivalente de TMB corresponderia a 40 milhões de euros.

 

Só que as diferenças não se ficam por aqui. Segundo o Ministério do Ambiente, o projeto da 4ª linha (ao contrário do TMB) não teria apoio comunitário, nem a energia produzida teria o subsídio que atuamente a Valorsul recebe.

 

O que faz todo o sentido na Valorsul é a instalação de uma grande capacidade de TMB e utilizar a capacidade de incineração libertada para tratar os rejeitados dos seus TMB e dos TMB vizinhos. Do ponto de vista energético é a opção mais racional, uma vez que os rejeitados dos TMB têm mais poder energético do que os resíduos urbanos indiferenciados. Ou seja, com 3 toneladas de rejeitados, produz-se a mesma energia do que com 4 toneladas de resíduos urbanos.

 

Em termos ambientais e económicos os TMB apresentam grandes vantagens porque permitem atingir elevadas taxas de reciclagem, elevadas receitas da entrega desses materiais à SPV e substancial redução da TGR. Em resumo, mesmo numa visão meramente economicista, a 4ª linha perde em toda a "linha" face ao investimento nos TMB. 

 

O que ninguém entende é como é que a SUMA, uma empresa privada, não fez estas contas e ponderou a possibilidade de investir na 4ªlinha. Só mesmo por razões que a razão desconhece. Finalmente, dizer que o PAPERSU da Valorsul não inclui a 4ª linha e sim o TMB do Cadaval.

 

Rui Berkemeier é Engenheiro do Ambiente licenciado pela FCT/UNL e Coordenador do Centro de Informação de Resíduos da Quercus desde 1996 acompanhando as políticas nacionais de gestão de resíduos. Foi Chefe de Sector de Ambiente da CM das Ilhas em Macau (1992-1996) na Gestão de Resíduos e Educação Ambiental e Técnico Superior da Direcção de Serviços de Hidráulica do Sul em Évora (1988-1992) na área de Controle da poluição hídrica e extracção de inertes. O autor escreve, por opção, ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

TAGS: incineração , Valorsul , privatização , EGF , Suma
Vai gostar de ver
VOLTAR