Carlos Zorrinho sobre venda da petrolífera da Gulbenkian: "É importante intenção de aposta nas renováveis"

02.02.2018

[Nota da Redação: A Fundação Calouste Gulbenkian quer vender a petrolífera Partex ao grupo chinês (CEFC), noticia hoje o jornal Público. A Fundação tem vindo a equacionar a alienação do negócio dos combustíveis fósseis tendo em conta objetivos de sustentabilidade. Também tem uma participação num fundo de energia renovável que quer igualmente alinear. No entanto deixa em aberto a hipótese de continuar a investir em energias renováveis.]

 

A decisão da Fundação Gulbenkian terá certamente em conta uma rigorosa avaliação estratégica e uma interpretação dos objetivos da Fundação no atual contexto económico e social. É importante a intenção de continuar a apostar em energias renováveis.

 

Os activos fósseis continuam a ser muito importantes, embora o seu uso tenda a ser reduzido enquanto combustível e acrescido enquanto matéria-prima multifuncional determinante para muitos processos industriais de nova geração.

 

Carlos Zorrinho, eurodeputado do PS, membro da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia no Parlamento Europeu, é licenciado em Gestão de Empresas e doutorado em Gestão de Informação pela Universidade de Évora. Foi professor catedrático do Departamento de Gestão da Universidade de Évora, deputado à Assembleia da República pelo PS (1995-2002 e 2004-2014), líder Parlamentar do Partido Socialista na Assembleia da República (2011-2014) e, no Governo, ocupou as funções de Secretário de Estado da Energia e da Inovação (2009 e 2011) e secretário de estado Adjunto da Administração Interna entre 2000 e 2002.

VOLTAR