Colunista Marcos Sá (Água-Educação Ambiental): Pedir um copo de água é ser amigo do ambiente

11.06.2018

Lembram-se de sermos crianças? Lembram-se de quando brincávamos e jogávamos à bola na rua com os nossos amigos?

 

Há algo que é transversal a todos nós e aos momentos de infância com os amigos: quando estávamos cansados íamos todos juntos pedir um copo de água ao café mais próximo e mais simpático.

 

Muitas vezes eramos recebidos com alguma “desconfiança” pois não iamos consumir nada que trouxesse receita, mas não há nada que os olhos de ingenuidade e cansaço de um grupo de crianças não consigam persuadir. E na verdade hoje, se esse mesmo café existir ainda vamos lá, somos clientes fiéis e amigos dos funcionários e do patrão, consumindo aquilo que não consumíamos antes, porque hoje somos adultos temos novas necessidades e nos recordamos desses momentos de felicidade.

 

Esse copo de água representava mais do que o saciar da sede ou um momento de hidratação. Esse copo de água era um momento de equipa, de amigos, de vida, e que permitia compensar e dar continuidade à nossa felicidade.

 

Cada copo de água era um copo de vida, energia e felicidade. Uma coisa tão simples, tinha tanto significado.

 

Água da torneira, uma coisa tão simples. Na mais pura das inocências, no maior auge de felicidade e liberdade da nossa vida, não olhávamos para marcas ou outras bebidas. Queríamos um copo de água da torneira e isso parecia-nos tão simples, concretizável, insubstituível, irrecusável. Nessa altura eramos todos amigos do ambiente, pois esse gesto bonito de quem pede um bem essenvial à vida e de quem o proporciona, era de facto um hábito bonito e sustentável.

 

É esse copo de água, durante as tardes de futebol com os amigos, que fomos buscar com a nova campanha da EPAL para as redes sociais. Espero que goste, e não tenha vergonha de ser feliz e pedir um copo de água da torneira: - Todos os dias, num café perto de si!

 

Veja aqui: https://www.youtube.com/watch?v=kOeilh5Jt94

 

Marcos Sá, diretor de comunicação e educação ambiental da EPAL, é licenciado em Ciências da Comunicação e da Cultura e possui cinco pós-graduações na área da gestão, marketing e Direito. Tem formação executiva na área da liderança, gestão de equipas e internacionalização de empresas. Foi docente, como assistente convidado, durante sete anos, na Universidade Nova de Lisboa. Exerceu funções de vereador da Câmara Municipal de Oeiras e de deputado à Assembleia da República integrando, entre outras, a Comissão de Ambiente. Desde 2011 é dirigente do setor empresarial do Estado, tendo sido responsável, entre 2011 e 2016, pela relação comercial de 98 municípios servidos pela EPAL, assim como, de todos os produtos e prestação de serviços dessa entidade, no mercado nacional e internacional. É ainda vice-presidente de uma instituição, sem fins lucrativos, na área do apoio social para idosos. As opiniões expressas neste artigo vinculam apenas o autor.

VOLTAR