Espanha garante a Portugal que Central Nuclear de Almaraz "se encontra em condições de segurança"

Explicações foram pedidas pela APA na sequência de falhas detectadas em inspecção

04.02.2016

O Conselho de Segurança Nuclear (CSN) de Espanha garantiu às autoridades portuguesas que a Central Nuclear de Almaraz, a mais antiga no activo no país vizinho, situada a 100 quilómetros da fronteira portuguesa, se encontra em “condições de segurança”, informa a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a quem compete acompanhar os aspectos de segurança nuclear em Portugal.

 

As explicações foram pedidas pela APA à entidade espanhola na sequência de uma inspecção realizada pelo CSN depois de falhas ocorridas nos motores das bombas do sistema de refrigeração.

 

O CSN concluiu, na sequência da inspecção, que “as cinco bombas de água que garantem o arrefecimento dos sistemas de segurança dos reactores encontram-se operacionais”.

 

O Conselho revelou ainda que o “operador da central adotou medidas mais restritivas que as previstas nas especificações técnicas de funcionamento e que, qualquer falha em alguma das bombas, implicará a paragem imediata dos reactores”.

  

O operador encontra-se também, segundo informações do CSN, o regulador independente de Espanha, “a realizar as acções necessárias para determinar as causas das falhas que originaram a inspecção”. Com a informação disponível actualmente, o CSN "não considerou necessário requer acções adicionais ao operador da central, e manterá o acompanhamento contínuo da situação”.

 

A APA explica ainda que no âmbito das suas competências está a acompanhar a situação. A autoridade nacional ambiental mantém operacional uma rede de medida da radioactividade no ambiente em contínuo de modo que possam ser detetadas situações de aumento anormal de radioatividade no ambiente, a Rede Nacional de Alerta de Radioatividade no Ambiente (RADNET).

 

A APA esclarece ainda que Portugal possui instrumentos bilaterais para acompanhar situações anómalas em qualquer Central Nuclear em Espanha, através dos protocolos e acordos estabelecidos entre autoridades espanholas e portuguesas.

 

QUERCUS E PAN EXIGEM ENCERRAMENTO

 

Perante “os sucessivos problemas técnicos e de segurança detectados nesta Central” a associação ambiental Quercus defende que a unidade seja “encerrada imediatamente e sejam tomadas todas as medidas no sentido de colocar em marcha um plano de desmantelamento da estrutura e descontaminação do local”.

 

Segundo noticiou o jornal El País, a Central Nuclear de Almaraz sofreu duas avarias nos motores das bombas de água e os técnicos que realizaram a inspecção consideraram que, perante as falhas detectadas, não existiam garantias suficientes de que o sistema de arrefecimento da Central pudesse funcionar normalmente. “Os resultados desta inspecção deveriam ter levado à suspensão imediata da actividade na Central, mas infelizmente as autoridades espanholas não tomaram ainda uma decisão nesse sentido”, sublinha a Quercus.

 

Em Almaraz, acidentes como o ocorrido em Maio de 2008, que obrigou à evacuação do pessoal do recinto de contenção e onde foram libertados cerca de 30 000 litros de água radioactiva que após tratamento teve que ser libertada no rio Tejo, e dados como os que foram divulgados ontem, “apenas vêm reforçar a importância de se proceder ao encerramento imediato desta central que ultrapassou já o seu período normal de vida”, defende a Quercus.

 

“Portugal não revela estar minimamente preparado para lidar com um cenário deste tipo, pelo que a acontecer um acidente grave, isso traria certamente sérios impactes imediatos para toda a zona fronteiriça, em especial para os distritos de Castelo Branco e Portalegre”, argumenta a associação.

 

A central, a funcionar desde o início dos anos 80, não encerrou a unidade na data prevista – Junho de 2010 - devido ao facto de o governo espanhol ter prolongado o prazo de funcionamento da central por mais 10 anos, até Junho de 2020.

 

A Quercus junta-se a diversas associações ecologistas e movimentos espanhóis que lutam pelo encerramento desta central nuclear, que fica situada junto ao rio Tejo, na província de Cáceres, e exige que o governo espanhol cumpra com as promessas de abandono gradual da energia nuclear e tome a decisão de encerrar a central.

 

Espera igualmente que o projecto de resolução do partido PAN (Pessoas Animais Natureza), que recomenda ao governo português que intervenha junto do governo de Espanha no sentido de proceder ao encerramento da central nuclear de Almaraz, a ser discutido brevemente na Assembleia da República Portuguesa, tenha o consenso necessário à sua aprovação.

 

Ana Santiago 

TAGS: Central Nuclear de Almaraz , Espanha , Portugal , Rio Tejo
Vai gostar de ver
VOLTAR