Ministério da Economia lança apoios para a eficiência energética das PME

10.10.2018

Foi lançada, pelo ministério da Economia, a linha de eficiência de energética destinada às micro, pequenas e médias empresas (PME) que tem por objetivo apoiar as empresas industriais e do turismo, na implementação de projetos que permitam a redução do consumo energético e a mudança das fontes energéticas fósseis para renováveis.


O ministério liderado por Manuel Caldeira Cabral (na foto) informou que a linha tem um prazo de vigência até dois anos após o seu início, dispõe de uma dotação de 100 milhões de euros e o montante máximo de operação por empresa é de 2 milhões. A linha de eficiência energética vai permitir às empresas financiar: Projetos de substituição de equipamentos existentes por outros mais inovadores, modernos e eficientes na poupança de energia; A implementação de dispositivos de monitorização, de controlo e atuação que permitam otimizar as condições de uso e consumo de energia; E a troca de fontes de energia fóssil por energia proveniente de fontes renováveis, para os quais poderão ser realizados investimentos em pequenos sistemas de energia eólica, bombas de calor de fonte de energia geotérmica e caldeiras de biomassa.


Em comunicado o ministério da Economia refere que“ a otimização do uso das fontes de energia numa estrutura empresarial maioritariamente composta por PME onde o consumo energético corresponde a uma parcela significativa dos custos de exploração, é fundamental do ponto de vista ambiental, mas também para o crescimento da economia num ambiente competitivo global, permitindo às empresas aumentar a eficiência e o rendimento dos fatores de produção e, dessa forma, gerar vantagens competitivas”.


A linha de eficiência energética, que se enquadra nos apoios do Programa Interface, é uma resposta a este desafio e vem no seguimento do Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética, aprovado em 2013. Existem já outros instrumentos de apoio disponíveis, como é o caso do Fundo de Eficiência Energética (FEE), do Fundo de Apoio à Inovação (FAI), do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC), e do Portugal 2020.

 

 

VOLTAR