Portugal rumo a Brasília: Pavilhão de Portugal quer ser montra do país e setor

27.02.2018

O 8º Fórum Mundial da Água vai concentrar em Brasília o debate sobre os principais desafios globais do setor, mas pretende também ser um palco privilegiado para a divulgação de soluções empresariais inovadoras e boas práticas em produtos e processos.

 

A área de exposição do evento, onde a organização estima que venham a circular cerca de 10 mil pessoas de 18 a 23 de março, abrange pavilhões de países e contará com a presença de empresas interessadas em comercializar os seus produtos e serviços junto de outras empresas, governos, autoridades regionais e locais ou universidades.   

 

O Pavilhão de Portugal ambiciona ser uma montra do País e do trabalho realizado neste setor por entidades públicas e privadas portuguesas nos quatro cantos do mundo. O espaço de 216 m2 contará com um auditório para 30 pessoas, uma sala reservada a reuniões, bem como uma zona de realidade virtual e ecrãs touchscreen, onde será possível consultar informação sobre entidades públicas e privadas portuguesas, bem como os projetos promovidas por estas nos quatro cantos do mundo através de um mapa interativo.

 

O registo na aplicação “Plataforma Portuguesa da Água” é gratuito e dá a possibilidade de inclusão de imagens e vídeos ilustrativos.

 

O Pavilhão de Portugal vai contemplar também uma reprodução do elétrico 28 à escala real, que será pontuada por seis ecrãs, com a projeção permanente de vídeos sobre o país, na sua vertente turística e ambiental.

 

Segundo a organização do projeto “Portugal rumo a Brasília”, o objetivo é mostrar como Portugal é “moderno, inovador e liderante no setor da água”, enfatizando a sua dimensão europeia, mas também as ligações privilegiadas aos países da CPLP e aos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China).  

 

UM PROGRAMA ABRANGENTE  

 

O programa de atividades do Pavilhão de Portugal compreende quatro dias temáticos, abrangendo sessões dedicadas ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e Cooperação Internacional; Cidades Water-Wise; Nexo Água, Energia e Alimentação; e Inovação no Setor da Água. 

 

O programa está praticamente fechado e contempla, entre outras iniciativas, a apresentação, no dia 20 de março, do relatório “Europa”, no âmbito do Processo Regional, cuja elaboração está a ser coordenada pelo Ministério do Ambiente de Portugal.

 

No mesmo dia, está agendado um encontro de responsáveis pela regulação dos serviços de água em países ibero-americanos e da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). O futuro do setor da água será também tema de reflexão entre representantes de países lusófonos no dia 22. No mesmo dia, o Ministério da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde fará uma apresentação sobre o tema “Escassez hídrica e sustentabilidade”.

 

O Pavilhão de Portugal acolhe ainda, dia 22, o lançamento oficial do mecanismo de responsabilização mútua para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável na área da água, promovido pela Sanitation and Water for All, uma parceria global que envolve governos, empresas, organizações da sociedade civil e instituições de investigação, entre outros.  

 

A comemoração dos 150 anos da EPAL- Empresa Portuguesa das Águas Livres também terá lugar neste espaço (dia 20), assim como a primeira apresentação da Comunidade Lusófona da Juventude pela Água (dia 21).

 

Ao longo de quatro dias, haverá ainda lugar para apresentações e debates sobre temas diversos como a gestão de recursos hídricos num contexto de adaptação às alterações climáticas (Agência Portuguesa do Ambiente); os desafios das entidades gestoras de serviços de água no século XXI (Águas de Portugal) ou a inovação tecnológica no setor (LNEC/ LIS-WATER). Além disso, estão planeadas projeções diárias de curtas-metragens sobre a temática da água, no âmbito da parceria estabelecida com o festival de cinema CineECO, de Seia.

 

Este programa será divulgado, entre Fevereiro e Março, junto de uma rede internacional de mais de 2000 contactos.

 

O projeto “Portugal rumo a Brasília 2018”, promovido pelo Ministério de Ambiente, está a ser organizado em conjunto com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil/ LIS-WATER - Lisbon International Centre for Water, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e o grupo Águas de Portugal (AdP).

 

Entre as entidades parceiras, incluem-se ainda, para além da APA e da AdP, a Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos e a Parceria Portuguesa para a Água.

 

Até agora, há mais de 30 entidades a apoiar o projeto, incluindo organismos públicos, associações, universidades e empresas.

VOLTAR