Preços da electricidade sobem 2,5 por cento em 2016 no mercado regulado

Dívida tarifária do sector eléctrico está a descer

22.10.2015

O preço da eletricidade deverá subir 2,5 por cento em 2016 para os 1,9 milhões de consumidores que ainda se encontram no mercado regulado, de acordo com a proposta de tarifas apresentada pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) ao Conselho Tarifário. Este aumento equivalerá a uma subida de 1,18 euros para uma factura média mensal de 47 euros.

 

A tarifa social, que pode ser solicitada por consumidores considerados economicamente vulneráveis, terá um acréscimo de 0,9 por cento, o que corresponde a um aumento de 19 cêntimos numa factura média mensal de electricidade de 21,5 euros.

 

Em termos médios, o aumento das tarifas elétricas será de 2,1 por cento, o mais baixo dos últimos dez anos. No ano passado o aumento foi de 3,3 por cento. A proposta agora apresentada só será definitiva a 15 de Dezembro.

 

Em comunicado o Ministério do Ambiente sublinha que a proposta da ERSE confirma que a dívida tarifária no sistema eléctrico nacional entrou em trajetória descente. “Os cortes realizados pelo Governo contribuíram significativamente para a existência de superávite tarifário anual, já a partir do próximo ano, superior a 370 milhões de euros, fundamentais para a amortização da dívida tarifária”, realça a tutela.

 

Os dois pacotes de redução das rendas excessivas aplicados pelo Governo nos últimos três anos, que totalizam 3400 milhões de euros, evitaram aumentos anuais das tarifas de 12 a 14 por cento e asseguraram a redução da dívida tarifária de 6000 milhões, em 2020, para entre 600 e 1000 milhões de euros.

 

Apesar da maioria dos clientes de electricidade se encontrar já no mercado liberalizado, a tarifa regulada da ERSE continua a ser a grande influência para os preços no mercado livre. As tarifas reguladas deverão terminar em 2017.

TAGS: electricidade , preço , ERSE , mercado regulado , mercado liberalizado
Vai gostar de ver
VOLTAR