Lídia Lopes

Lídia Maria Gonçalves Dias Lopes, é licenciada em Finanças (1976) pelo Instituto Superior de Economia - Lisboa.

 

Em outubro de 1977 ingressou nos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Sintra, onde atualmente exerce funções de Diretora do Departamento Administrativo e Financeiro.

 

É coordenadora da CELE – Comissão Especializada de Legislação e Economia da APDA.

 

Participou nos corpos sociais da APDA como Presidente do Conselho Fiscal (2012/2014) e Vice-Presidente do Conselho Diretivo (2006/2011).

 

É representante portuguesa na EU3 – Committee on Economics and Legal Affairs da EUREAU (European Federation of National Water Associations).

 

Em 1993 foi nomeada como representante portuguesa na Comissão de Estatística e Economia da IWA – International Water Association, tendo-se mantido até 2004.

 

Foi membro do Conselho de Garantia da Qualidade e posteriormente da Equipa Editorial da Revista Águas & Resíduos (APDA/APESB).

 

É co-autora dos seguintes livros: ”Abastecimento de Água em Portugal – O Mercado e os Preços – 2004”, ”Água e Saneamento em Portugal – O Mercado e os Preços” da Comissão Especializada de Legislação e Economia da APDA, em edições de 2006, 2008, 2010, 2012, 2014, 2016 e 2018, editados pela APDA.

 

Como membro da EU III foi co-autora do livro “Management Systems of Drinking Water Production and Distribution Services in the EC Member States in 1992”, publicado pela EUREAU. Participou também na atualização, em 1996, do mesmo livro.

 

Participação na elaboração do Volume 13 – Informação Estatística, da série de publicações editadas pelo LNEC, sobre Gestão de Sistemas de Saneamento Básico – MARN/DGA/LNEC – 1995.

 

Coordenadora da Equipa técnica dos SMAS de Sintra envolvida no projecto internacional PI – Waters, sobre indicadores de desempenho nas entidades gestoras de águas, que teve início em 2000.

 

Em 2000 foi a coordenadora da equipa dos SMAS de Sintra que participou na implementação do sistema integrado de gestão SAP R/3, que conduziu nomeadamente à introdução do POCAL – Plano Oficial de Contabilidade para as Autarquias Locais, em Janeiro de 2001 e à preparação para a utilização do euro.