Nuno Campilho: A regra dos 4 P's

16.04.2021

Existem quatro aspetos, em particular, que constituem a base de qualquer estratégia de marketing e que são denominados de 4 P’s do Marketing ou Marketing-Mix. Esses quatro P’s referem-se a ProductPricePlacement e Promotion.

 

Ora, os 4 P’s que constituem a base da minha estratégia referem-se a Presidente, Presidente, Presidente e Pressão.

 

1 – Presidente (Mira)


O produto, água, é preocupação constante e cimeira nas suas prioridades. Tanto na qualidade (fruto de uma potencial concentração elevada de ferro e de manganês – que normalmente surge na presença de ferro – sobretudo nas águas subterrâneas e nas águas subterrâneas profundas, principal origem da água captada na região), como na quantidade, considerando que a população desta terra à beira-mar plantada triplica nos meses de veraneio. Empenho extremo e constante, com a recolha de água para análise, diária, e que tem revelado o integral cumprimento dos parâmetros; e com a realização de furos primários e redundantes, que asseguram uma continuada e progressiva autonomia com recurso a captações próprias, numa ponte para a Natureza.

 

2 – Presidente (Montemor-o-Velho)


O preço, justo e equilibrado, assim como um rigoroso cumprimento dos ciclos de faturação, associado a leituras reais e à aferição e calibração dos contadores, constituem uma das suas principais preocupações. Acresce a tudo isto, uma otimização da gestão da rede e o recurso a novas tecnologias de suporte à decisão, que resultam num ecossistema inovador e preparado para enfrentar novos e renovados desafios, agregando esforços e vontades para um futuro melhor, vivendo a história e sentindo o progresso.

 

3 – Presidente (Soure)


A distribuição, num território com uma morfologia de paisagem muito característica, é algo de complexo e muito exigente e para a qual o seu grau de compromisso é inamovível. Sobre a paisagem natural, caracterizada por determinado funcionamento ecológico, instalaram-se comunidades que aprenderam a utilizá-la assegurando a sua perenidade e desenvolvendo determinada cultura que nela deixaram inscrita. Dada a complexidade da paisagem é necessário encontrar metodologias e indicadores privilegiados que nos permitam interpretá-la, com vista à proposta de intervenções sustentáveis e a assegurar a disponibilidade de água para consumo humano a toda a população, com boa qualidade, necessária quantidade e adequada pressão. A obra que nos une é fruto da dedicação de todos aqueles que devotam o seu saber e competência à gestão dos sistemas, num concelho com tradições.

 

4 – Pressão (Eu)


Por último, a comunicação, a gestão e a direção, que se pretendem abrangentes, profissionais e orientadoras.

Clareza e ambição na definição de objetivos racionais e exequíveis, que sejam equitativos em dotar e contribuir para uma excelente qualidade de serviço, devem basear-se num plano de ação e investimentos que dependem de dinâmica e disponibilidade. Dinâmica pessoal, com entrega, dedicação e não esmorecimento. Disponibilidade financeira, com rigor, cobrança efetiva e uma inteligente utilização dos recursos (poucos) e dos meios (insuficientes) disponíveis.

 

Como costumo dizer (por vezes de forma um pouco cansativa e repetitiva), há duas formas de fazer isto (ou vinte, mas eu sou um bocado básico e limitado), com confiança e respeito.

 

O resto, é trabalho… muito!

 

 

Nuno Campilho é licenciado em Relações Internacionais e Pós-graduado em Comunicação e Marketing Político, em Ciência Política, e em Tecnologias e Gestão da Água. Executive MBA do IESE/AESE. Doutorando em Políticas Públicas no ISCTE-IUL. Foi presidente da União das Freguesias de Oeiras, Paço de Arcos e Caxias, administrador dos SMAS de Oeiras e Amadora e chefe de gabinete do Ministro do Ambiente, Isaltino Morais. Exerceu, ainda, funções de vogal do Conselho de Gerência da Habitágua, E.M. Foi titular do cargo de Diretor Delegado dos SIMAS de Oeiras e Amadora, até ao final de janeiro de 2020, e Senior Business Partner da Mundi Consulting. É membro da Comissão Especializada de Inovação da APDA e Diretor-geral da ABMG - Águas do Baixo Mondego e Gândara, EIM.

VOLTAR