Mercado do Solar: DGEG e promotores reúnem-se no 9.º Fórum Energia

Maximizar a produção de eletricidade a partir de fontes renováveis é um dos caminhos para a descarbonização e o mercado do solar está preparado para o fazer. Para além da participação em leilões – e já está um na calha para ser lançado em novembro –, o licenciamento de novas centrais mantém-se aberto através de pedidos de acordo bilateral com a REN e de pedidos de informação prévia junto da DGEG. No entanto, há já hoje milhares de pedidos de ligação à rede elétrica de novas centrais solares, que preveem um volume de produção muito superior às necessidades atuais.

 

No 9.º Fórum Energia, antecipa-se o futuro do mercado do solar, juntando no mesmo palco, a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) e os promotores, para conhecer as preocupações e prioridades de quem tem de decidir e auscultar as expetativas e desafios dos que estão dispostos a investir.

 

João Bernardo, Diretor-Geral da DGEG abordará, na sua intervenção, os limites técnicos, mas também económicos do sistema elétrico nacional para a integração de energia fotovoltaica, assim como a necessidade de equilibrar o repto da descarbonização com a preservação do ambiente e da paisagem.

 

Na mesa redonda, que reúne promotores de empresas públicas e privadas, discutem-se expetativas e dificuldades de quem tem já projetos em curso nesta área. Está já confirmada a participação de José Manuel Sardinha, presidente da EPAL e vice-presidente do conselho de administração da Águas de Portugal, e de Diogo Trindade, project manager da Hyperion Renewables, numa discussão que promete ser oportuna e profícua.

 

O Forúm Energia, o Fórum Resíduos e a Expo Conferência da Água decorrem de 08 a 15 de novembro no hotel Sana Malhoa, em Lisboa. As iniciativas Água&Ambiente regressam assim em versão presencial, naquela que será “Uma Semana de Ambiente”.